quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

oioioioioi

toda essa vontade de preenchimento, de dar sentido à existência, ser egocêntrico que suga energia, fagocita o meio e quem o preenche, demanda atenção e só se contenta com a expectativa sanada
como combustível
como contentamento e desencanto quando a expectativa é quebrada
só para tornal suportável esse mar paradoxal e fluido que é a vida, ou a ilusão

que é beleza
e feiúra

ora amor (nos dias mais pessimistas me convenço de que só existe amor de fora pra dentro, de expectativa pro ego, entende?) dor, raiva, ora preguiça,
ora vontade
flor, cor, sujeira
ora ignoro, ora desespero
e espero
ora demando, e, se merecem essa minha humanidade, quem sabe um dia me dou
quem sabe me dôo
OU
quem sabe um dia, borboleta, só vou e fluo, leve
quem sabe um dia, num eu tão mais longe de onde hoje me protejo, mais humano!
quem sabe mais feliz
OU
quem sabe ser humano é isso mesmo,
quem sabe o que digo não passa de utopia
quem sabe

quem sabe espero
um dia menos demanda
quem sabe um dia apenas - por vezes acho que prefiro apenas
apenas ser, ou apenas apenas, sem verbo
APENAS  e simples
simples
feliz
tchau, ego

Um comentário:

  1. por enquanto, só sei me despedir do ego alheio... por enquanto.

    ResponderExcluir